fbpx

Procedimentos

weight-loss-gastric-balloon

Atualmente, com a proibição pela ANVISA de muitos inibidores do apetite a base de anfetaminas e também por ser a escolha do método cirúrgico (cirugias bariátricas) um procedimento irreversível, o Balão Intragástrico (BIB) passou a ser uma alternativa para aqueles que querem perder peso de forma mais saudável e conservadora. Trata-se de um dispositivo de silicone que, após bem posicionado no estômago por via endoscópica, é insuflado com volume ajustável de soro fisiológico somado a um corante de azul de metileno, respeitando a anatomia gástrica e que deverá permanecer por 6 meses ou mais, a depender do balão escolhido.

Foi projetado para provocar uma sensação de saciedade precoce e diminuir a capacidade do reservatório gástrico, devido ao seu volume e ao seu peso, diminuindo com isso o consumo de alimentos e facilitando a adaptação a uma dieta hipocalórica, associada a uma mudança na rotina de vida, incluindo atividade física.

Pacientes que usam o balão estão capacitados à uma alimentação normal, especialmente líquido e dietas programadas, mas limitadas em quantidade, não em qualidade, que deve ser orientada por um nutricionista capacitado a conduzir um tratamento mais eficaz e mais confortável.

Indicações para o Balão Intragástrico:

  • Pacientes com IMC acima de 35, refratários ao tratamento clínico, que apresentam contra-indicações para o tratamento cirúrgico ou não aceitam o tratamento cirúrgico e apresentam doenças associadas à obesidade.
  • Pacientes com IMC menor que 35 que apresentam doenças secundárias à obesidade ou refratários ao tratamento clínico habitual da obesidade por um período superior a três anos, contra-indicação de drogas utilizadas no tratamento clínico ou doenças secundárias ao tratamento medicamentoso (hipotiroidismo secundário, distúrbios psiquiátricos droga-dependente).
  • IMC menor que 30 para fins estéticos.
  • Preparo e seleção de pacientes com obesidade extrema (IMC > 50), para cirurgia de restrição gástrica (BIB teste).
  • Redução do risco anestesiológico (cirurgia bariátrica, cirurgia geral, cirurgia ortopédica, cirurgia cardiovascular, dispnéia de decúbito, apnéia do sono, etc).
  • Redução do risco cirúrgico (IMC extremo com doenças associadas).
  • Redução do risco clínico de doenças crônicas graves ou que causem invalidez.

Técnica de colocação do Balão Intragástrico:

[hana-flv-player
video="https://scarparoscopia.com/wp-content/themes/theme1385/video1.flv"
width="400"
height="320"
description="Técnica de colocação do Balão Intragástrico"
player="4"
autoplay="false"
loop="false"
autorewind="true"
/]

Técnica de remoção do Balão Intragástrico:

[hana-flv-player
video="https://scarparoscopia.com/wp-content/themes/theme1385/video2.flv"
width="400"
height="320"
description="Técnica de remoção do Balão Intragástrico"
player="4"
autoplay="false"
loop="false"
autorewind="true"
/]

O paciente é submetido a uma sedação semelhante ao de um procedimento de endoscopia digestiva, talvez um pouco mais profunda que aquela, sendo normal não se lembrar de nada do procedimento após a sua realização (efeito amnéstico).

O médico monitora a sua função cardíaca e respiratória, proporcionando conforto e segurança ao paciente durante todo o procedimento de colocação do balão.

O volume de liquido dentro do balão não está relacionado a quantidade de peso a se perder e sim a anatomia gástrica de cada paciente. Em adultos, normalmente, é necessário entre 600 e 700 ml de solução para preenchimento satisfatório do balão.

Após a colocação, o balão é preenchido com soro fisiológico, reduzindo o espaço interno do estômago, induzindo a saciedade precoce.

Ao lado, foto ilustra uma simulação da Técnica de Colocação do Balão Intragástrico.